Casamento

 Nova etapa da vida

Início de uma vida a dois, famílias diferentes, culturas diferentes e a convivência precisa de maturidade para aceitar as diferenças, se colocar no lugar do outro, abrir mão de algumas coisas, em alguns momentos cederem à vontade do outro.

Viver a dois é um desafio diário, onde é preciso existir respeito, amizade, compreensão, paciência, tolerância e muito amor, porém nem sempre é fácil manter o equilíbrio e abrir mão de algo pelo outro, mas é uma oportunidade de crescimento mútuo. O casamento precisa proporcionar saúde, qualidade de vida e bem estar psicológico.

O amor é o ingrediente mais sustentável para que o casamento proporcione felicidade ao casal. A paixão, desejo, satisfação sexual, carinho, companhia, admiração, intimidade também são ingredientes de uma relação saudável. E manter uma relação saudável não é nada fácil, existem momentos que são maravilhosos, outros são difíceis é preciso estar sempre se renovando, manter o equilíbrio e respeitar o momento seu e do outro.

Como é difícil manter a individualidade e respeitar a individualidade do outro, tem-se aqueles dias que um está feliz e o outro está triste, tem aqueles dias que é preciso ficar por alguns momentos consigo, outros é preciso conversar e desabafar. É preciso ter em mente que o casamento não é uma prisão a dois, é preciso existir confiança para que o outro possa ter uma vida social saudável, encontrar amigos e familiares.

Muitos casais quando estão passando por alguma dificuldade a primeira solução que vem é a separação. Antes de tomar essa decisão, juntos precisam pensar no que podem fazer para melhorar. O diálogo é ferramenta essencial no relacionamento, deve-se abrir o coração, dizendo o que esta sentindo e juntos devem escolher maneiras para buscar a atender as necessidades e os sentimentos uns dos outros voltando assim a uma convivência saudável.

Copyright 2012 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

E quando chega o irmãozinho!

A chegada de um irmãozinho pode deixar o filho mais velho bastante inseguro já que a perda do posto de filho único é um acontecimento difícil para algumas crianças, as quais vão perder toda a atenção que antes era voltada só para ela e agora terá que dividir seu espaço, esse fato gera bastante ciúme na criança e ela poderá mudar seu comportamento.

Quando há uma dificuldade de adaptação pela criança ela pode desenvolver alguns comportamentos nesse período como irritação, agressividade, fica chorona e não obedece e  pode haver até um retrocesso em suas atividades já apreendidas.

Mas tudo depende de como a criança esta sendo inserida na família, os pais precisam tomar cuidado para que a atenção não fique voltada para o recém-nascido, mesmo que o mesmo precisa de mais cuidado é bom evitar que o irmão mais velho não sinta rejeitado.

É preciso ter muita paciência, conversar com a criança e ajudar ela a se adaptar a nova realidade e continuar dando atenção para que ela sinta amada e incluída na família.

Copyright 2011 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

Terror noturno

O que é terror noturno?

Terror  noturno é um distúrbio do sono que é bastante frequente entre criança entre os 2  e 5 anos de idade, frequentemente atinge mais os meninos, esse distúrbio tende a desaparecer com o tempo. 

O que acontece durante uma crise de terror noturno?

Durante uma crise a criança pode chorar, gritar, sentar na cama, agitar-se, ficar com a expressão facial de medo,  ficar com a respiração acelerada e mesmo que esteja com os olhos abertos não sabe que te alguém por perto por isso não se acalma. A crise pode durar até uns 10 minutos e depois que passa, a criança volta a dormir. No dia seguinte a criança não lembra nada sobre o ocorrido.

As crises normalmente causa desespero nos pais que não sabem o que fazer para acalmar a criança.

As manifestações ocorrem com frequência?

Depende da criança, algumas apresentam todos os dias, outras semanalmente, e em algumas podem ocorrer vários episódios durante a noite.

Terror noturno é diferente de pesadelo?

Sim. Quando a criança tem um pesadelo ela consegue falar do motivo que ficou assustada. Já o terror noturno a criança não consegue lembrar-se de nada.

Os episódios de terror noturno ocorrem mais no início da noite enquanto os pesadelos ocorrem mais no final da noite.

Quais são as causas e os fatores emocionais contribuem?

As causas ainda são desconhecidas, mais alguns fatores podem contribuir para o aumento dos episódios, como, por exemplo, fatores estressantes e mudanças na vida da criança.

Tratamento

Normalmente não precisa de tratamento médico, apenas orientações aos pais para ajudar a criança.

Copyright 2011 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

Quando procurar um terapeuta?

Qualquer pessoa, pode se beneficiar de ter o acompanhamento de um Psicólogo, o tratamento visa o crescimento pessoal, promover a saúde e a qualidade de vida das pessoas.

Existem momentos em nossas vidas que deparamos com situações que sozinhos não conseguimos resolver e sentimos a necessidade de auxílio de um profissional, como por exemplo, situações de estresse, perdas, tristeza profunda e prolongada, doenças, depressão, conflitos nos relacionamentos (familiar, conjugal), diante de problemas difusos (não sabem especificar) ou qualquer sentimento ou situação que não saiba como lidar.

O terapeuta poderá orientar e ajudar o paciente a identificar seus conflitos emocionais, quando um problema é identificado estratégias são desenvolvidas para que o indivíduo possa conseguir desenvolver metas para conseguir viver sua vida de uma forma saudável.

Copyright 2012 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

Depressão

Depressão é uma doença que afeta o humor e precisa ser tratada, quando não tratada adequadamente pode trazer grandes prejuízos na vida da pessoa.

A pessoa deprimida fica muito triste e desanimada, suas relações ficam comprometidas começa a perder o interesse pelo convívio social e tende a se isolar.

Ela atinge qualquer pessoa indiferente da idade e tem predominância no sexo feminino.

Características

Humor deprimido ou perda de interesse por quase todas as atividades, alterações no apetite ou peso, sono e atividade psicomotora; diminuição da energia; sentimentos de desvalia ou culpa; dificuldades para pensar, concentrar-se ou tomar decisões, ou pensamentos recorrentes sobre morte, planos ou tentativas de suicídio.

Pode ser influenciada

Por fatores biológico-genéticos, psicológicos e sociais.

Copyright 2020 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

Orientação Vocacional nas escolas

As escolas que pretendem preparar os seus alunos para o ambiente de trabalho vem  oferendo os serviços de Orientação Profissional.

A orientação vocacional é um processo de autodescoberta do jovem, que passam a conhecer melhor as profissões  e a carreira que pretendem seguir, tem  a possibilidade de ter uma reflexão sobre si mesmo e suas escolhas.

O objetivo da orientação é possibilitar aos jovens:

  • Autoconhecimento
  • Reflexão sobre os aspectos da vida profissional
  • Conhecimento das profissões
  • Conhecimento da realidade profissional
  • Tomada de decisão
Copyright 2011 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

Família, o berço da ética.

Entrevista dada a empresa Master Health pela Psicóloga Keila de Oliveira Paulin.  

 

Família, o berço da ética.

1- O castigo é a melhor forma de corrigir a criança de algo errado que ela fez?

R: Não, pois o castigo remete a consequências negativas para a criança. Devemos impor disciplina através de regras e limites para suas atividades.

2- Os pais devem atender a todos os desejos da criança?

R: Não, os pais precisam impor limites, as crianças precisam aprender que ela não pode ter tudo o que deseja, a frustação faz parte da educação.

3- Como dizer o temido “não” para a criança/adolescente?

R: O “não” deve ser falado de forma convicta e tranquila.  Os pais devem entender que o “não” não será prejudicial para a criança/adolescente e sim será um incentivo, um aprendizado que será carregado para sua vida futura.

4- Como cuidar para que o filho seja feliz, sem que ele seja mimado?

R: Mimar a criança não é deixá-la feliz, os pais devem entender que a atenção, amor, carinho por muitas vezes é mais importante que qualquer “mimo”. Por isso eles devem cada vez mais estar presente em seu desenvolvimento os acompanhando em seu dia e isso os tornará mais felizes.

5- Qual é a melhor forma de corrigir os erros da criança/adolescente?

R: Erros às vezes podem nos ensinar novos caminhos, por isso uma boa conversa fazendo com que a criança entenda que com o erro ela pode apreender algo novo que virá de forma a somar um beneficio a ela.

6- Para os pais que tem a vida profissional agitada, como devem fazer para compensar e aproveitar os momentos com os filhos sem que eles fiquem malcriados?

R: A questão não é o tempo que passam com os filhos e sim a qualidade do tempo dedicado aos filhos. Os pais precisam participar da vida dos filhos demonstrar amor e carinho. Trocar as visitas em centros de consumos com passeios com os filhos, planejar atividades que possam realizar juntos sempre é uma boa alternativa para aproveitar melhor o tempo, um passeio ao ar livre, organizar um acampamento, um piquenique, andar de bicicleta são algumas das atividades que podem fazer e ter um dia mágico e deixar grandes recordações para a vida.

7- Além da educação básica, como deve ser a preparação para a vida social e profissional futura?

R: A família deve proporcionar suporte à criança e assegurar uma boa educação, apoiando e interagindo para que possa ter um bom desenvolvimento futuro.

8- A amizade com crianças mal educadas pode atrapalhar ou incentivar de forma negativa no processo de educação? Como deve ser a postura dos pais neste caso?

R: O comportamento das crianças é influenciável, porém a criança que tem uma base forte na educação familiar terá maior resistência a qualquer disfunção em sua educação obtida. Por isso a atenção dos pais é sempre importante em seu desenvolvimento.

9- Como corrigir os filhos sem prejudicar sua autoestima?

R: Abordar o filho com formas de incentivo, respeito pode trazer boa reação no processo educacional. A criança vendo que esta tendo atenção aceitara com maior facilidade sem causar danos a sua estima.

10- A vó “estraga” a educação do neto?

R: A educação passa de geração para geração, se as avós tem consciência da importância desta, respeitarão as regras criadas pelos pais e contribuíram para o desenvolvimento do neto.

 

Copyright 2012 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

 

Psicoterapia Infantil

O que é Psicoterapia Infantil?

Psicoterapia Infantil é o atendimento terapêutico feito com crianças. O tratamento visa conhecer e identificar os problemas que estejam impedindo a criança de ter um desenvolvimento saudável.

Como funciona a Terapia Infantil?

As crianças são atendidas uma vez por semana, em sessões de 50 minutos. Os pais (cuidadores) sempre vão ser orientados no final dos atendimentos.

Como é a terapia infantil?

As crianças precisam de outro meio para expressar seus sentimentos que não a verbal. A criança expressa suas dificuldades emocionais através do seu comportamento, para o desenvolvimento da terapia infantil o terapeuta conta com recursos lúdicos (jogos, desenhos, brincadeiras, colagens, pinturas, histórias entre outras atividades) a fim de abordar o mundo infantil.

Dessa forma o terapeuta conhece melhor a criança, seus comportamentos e sentimentos assim são possíveis identificar o que esta impedindo a criança de ter uma vida saudável, assim o terapeuta vai criar estratégias para ajudá-la a se desenvolver emocionalmente e socialmente.

A família participa do processo terapêutico?

 A participação dos pais ou responsável no atendimento infantil é essencial para um bom desenvolvimento psicológico, a primeira sessão é feita com os pais que vai relatar o que acontece com a criança. No decorrer da terapia os pais serão chamados para serem informados sobre o tratamento e assim orientados conforme a necessidade da criança.

Quando os pais devem procurar ajuda?

É preciso ficar atento quando a criança mostrar alguns comportamentos como agressão, ansiedade, dificuldades de aprendizagem, baixo rendimento escolar, timidez, medo excessivo, dificuldade de interagir com outras crianças, depressão infantil, enurese, encoprese, dificuldades de aceitação ao nascimento de um irmão, perdas, separação dos pais, mudança de escola e de cidade, insegurança, estresse infantil, entre outros.

As escolas também podem encaminhar a criança para psicoterapia?

Sim. Em alguns casos que a criança esteja com dificuldades de aprendizagem ou quando mostra mudanças de comportamento à escola encaminha a criança para avaliação psicológica.

Quais são as queixas mais comuns das escolas que faz o encaminhamento para o atendimento terapêutico?

As queixas mais comuns são: agressividade, dificuldades de aprendizagens, timidez, medo, déficit de atenção, hiperatividade e dificuldade de interagir com outras crianças.

Copyright 2011 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

 

Família

A família tem passado por inúmeras transformações nas últimas décadas. Apesar das grandes mudanças a família continua sendo à base sólida emocional, educacional e de valores que vamos levar por toda a vida.
A família é o primeiro grupo que a criança convive onde inicia a formação de sua personalidade, aprende os valores morais e sociais e a interagir com outras pessoas. A participação da família na vida da criança é muito importante para que a mesma possa ter uma boa estrutura e consiga ter um desenvolvimento saudável.

O ambiente familiar é muito importante na vida de seus integrantes, é preciso que exista confiança, segurança, proteção, confiança e muito amor. Para que os mesmos possam viver em harmonia e desfrutar de uma relação saudável.

Copyright 2012 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados