Terror noturno

O que é terror noturno?

Terror  noturno é um distúrbio do sono que é bastante frequente entre criança entre os 2  e 5 anos de idade, frequentemente atinge mais os meninos, esse distúrbio tende a desaparecer com o tempo. 

O que acontece durante uma crise de terror noturno?

Durante uma crise a criança pode chorar, gritar, sentar na cama, agitar-se, ficar com a expressão facial de medo,  ficar com a respiração acelerada e mesmo que esteja com os olhos abertos não sabe que te alguém por perto por isso não se acalma. A crise pode durar até uns 10 minutos e depois que passa, a criança volta a dormir. No dia seguinte a criança não lembra nada sobre o ocorrido.

As crises normalmente causa desespero nos pais que não sabem o que fazer para acalmar a criança.

As manifestações ocorrem com frequência?

Depende da criança, algumas apresentam todos os dias, outras semanalmente, e em algumas podem ocorrer vários episódios durante a noite.

Terror noturno é diferente de pesadelo?

Sim. Quando a criança tem um pesadelo ela consegue falar do motivo que ficou assustada. Já o terror noturno a criança não consegue lembrar-se de nada.

Os episódios de terror noturno ocorrem mais no início da noite enquanto os pesadelos ocorrem mais no final da noite.

Quais são as causas e os fatores emocionais contribuem?

As causas ainda são desconhecidas, mais alguns fatores podem contribuir para o aumento dos episódios, como, por exemplo, fatores estressantes e mudanças na vida da criança.

Tratamento

Normalmente não precisa de tratamento médico, apenas orientações aos pais para ajudar a criança.

Copyright 2011 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

Psicoterapia Infantil

O que é Psicoterapia Infantil?

Psicoterapia Infantil é o atendimento terapêutico feito com crianças. O tratamento visa conhecer e identificar os problemas que estejam impedindo a criança de ter um desenvolvimento saudável.

Como funciona a Terapia Infantil?

As crianças são atendidas uma vez por semana, em sessões de 50 minutos. Os pais (cuidadores) sempre vão ser orientados no final dos atendimentos.

Como é a terapia infantil?

As crianças precisam de outro meio para expressar seus sentimentos que não a verbal. A criança expressa suas dificuldades emocionais através do seu comportamento, para o desenvolvimento da terapia infantil o terapeuta conta com recursos lúdicos (jogos, desenhos, brincadeiras, colagens, pinturas, histórias entre outras atividades) a fim de abordar o mundo infantil.

Dessa forma o terapeuta conhece melhor a criança, seus comportamentos e sentimentos assim são possíveis identificar o que esta impedindo a criança de ter uma vida saudável, assim o terapeuta vai criar estratégias para ajudá-la a se desenvolver emocionalmente e socialmente.

A família participa do processo terapêutico?

 A participação dos pais ou responsável no atendimento infantil é essencial para um bom desenvolvimento psicológico, a primeira sessão é feita com os pais que vai relatar o que acontece com a criança. No decorrer da terapia os pais serão chamados para serem informados sobre o tratamento e assim orientados conforme a necessidade da criança.

Quando os pais devem procurar ajuda?

É preciso ficar atento quando a criança mostrar alguns comportamentos como agressão, ansiedade, dificuldades de aprendizagem, baixo rendimento escolar, timidez, medo excessivo, dificuldade de interagir com outras crianças, depressão infantil, enurese, encoprese, dificuldades de aceitação ao nascimento de um irmão, perdas, separação dos pais, mudança de escola e de cidade, insegurança, estresse infantil, entre outros.

As escolas também podem encaminhar a criança para psicoterapia?

Sim. Em alguns casos que a criança esteja com dificuldades de aprendizagem ou quando mostra mudanças de comportamento à escola encaminha a criança para avaliação psicológica.

Quais são as queixas mais comuns das escolas que faz o encaminhamento para o atendimento terapêutico?

As queixas mais comuns são: agressividade, dificuldades de aprendizagens, timidez, medo, déficit de atenção, hiperatividade e dificuldade de interagir com outras crianças.

Copyright 2011 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

 

Adolescência

Fase de descobertas

Preciso definir minha personalidade, mas como é difícil.

São mudanças físicas, psicológicas e sociais.

Olho-me no espelho e me acho estranho.

Sinto-me confuso com minhas ideias.

O mundo dos adultos é muito complicado,

ter responsabilidades é muito difícil.

Sou cobrado o tempo todo.

Meus pais falam que preciso pensar no futuro.

Preciso estudar muito e que logo vou ter que decidir qual profissão seguir.

De repente me apaixonei e me vejo sofrendo por amor.

Meus pais não entendem minhas ideias, somente meus amigos me

compreendem.

Quero ser igual aos meus amigos, porque é estranho ser diferente.

Meus pais alertam sobre os perigos da vida, dizem que certas escolhas,

podem interferir em toda a minha vida.

Estou tão confuso, será que alguém pode me ajudar?

O texto relata um pouco da angústia vivida pelos adolescentes. A orientação da família nessa fase de desenvolvimento é muito importante. As características principais que precisa existir em uma família. São o amor, diálogo e o respeito.

Uma relação familiar saudável serve como fator de proteção para o adolescente. Os pais precisam:

  • Ter envolvimento afetivo com seus filhos
  • Entender seus problemas e conceitos pessoais
  • Saber ouvir
  • Dialogar
  • Dar suporte emocional
Copyright 2011 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados

Estresse em Crianças na relação pais-filhos após a Separação Conjugal

O estresse não é um mal que atinge só os adultos, ele também atinge as crianças. Quando mais cedo for detectada uma situação de estresse em crianças mais facilmente essa superação vai acontecer.

A Separação Conjugal traz grande ansiedade a criança onde sente ameaçadas e muitas das vezes fica no meio das brigas dos pais e sente culpadas pela separação, esses sentimento pode acarretar um quadro de estresse infantil.

Embora os pais estejam passando por um momento difícil é preciso às definições dos papeis que cada um vai ter após a separação. Precisam tomar consciência da necessidade de ajuda e compreensão que os filhos precisam nesse momento. Para que as brigas do casal não influenciem no relacionamento e não venha prejudicar o desenvolvimento de seus filhos.

A importância da família para o desenvolvimento da criança é essencial, mesmo que os pais estejam separados, pensar na educação dos filhos, oferecer proteção, carinho é de suma importância para a criança.

É preciso que haja envolvimento de ambos os pais, pensar em condições de um bom convívio para que exista uma relação positiva após divórcio, para que as crianças possam ter um crescimento saudável.

  • Evite falar mal do ex-marido;
  • Não o critique  perto dos filhos;
  • Procure decidir os assuntos principalmente a questão financeira longe da criança;
  • Procura manter uma relação boa;
  • Importante que os filhos passa momentos agradáveis com os dois;
  • Em data comemorativas como aniversário, é importante que os dois participem;

São pequenas atitudes que podem fazer uma grande diferença na vida da criança.

Copyright 2011 – Psicóloga Keila Oliveira Paulin- Todos os direitos reservados